Membros normais não podem criar tópicos mas podem responder tópicos dos veteranos.


Ao atingir mais de 1 ano de cadastro ou envio de mais de 200 mensagens você automáticamente se torna membro veterano e pode postar nessa área.
Avatar pua

Criador do tópico

>>Psychokiller<<

Entusiasta

#845148 O Sedutor natural e os seus comportamentos são tema de discussões e divergências na comunidade de sedução desde que eu a conheço. E o motivo destas divergências é que não há um consenso sobre um significado definitivo e absoluto deste conceito, existindo assim varias definições sobre o que venha a ser um sedutor natural.

As quatro definições da NaturalidadeEu conheço pelo menos quatro definições do conceito Natural, que também são utilizadas dentro do contexto da sedução para explicar o conceito NATURAL.


A naturalidade como um estado inatoA primeira definição é a mais radical de todas, nos remota aos tempos onde vivianos no estado de natureza total, sem influencia dos costumes e modos das sociedades e culturas modernas, ela assume que existem comportamentos e atitudes inatas e instintivas no processo de sedução entre os humanos, e apenas o homem que apresenta apenas estes comportamentos, tidos como inatos e instintivos (Sem influencia social e cultural) pode ser chamado de sedutor natural.

Esta primeira definição é categórica ao afirmar que apenas os comportamentos inatos e instintivos são naturais, e que apenas o estado de natureza total e pura ao qual os homens viviam no passado refletem a verdadeira essência do que venha a ser considerado um comportamento natural, e qualquer aderência aos costumes e comportamentos condicionados pelos meios modernos de agonizações sociais e culturais tira toda esta naturalidade do homem.

Está primeira definição é vista como uma condição inata e instintiva dos comportamentos humanos


A naturalidade como a mistura de um estado inato a uma influência socialmente condicionadaA segunda definição é menos radical, Admite a influencia de nossos instintos em nossos comportamentos, e assume que apesar de vivermos em sociedades modernas e possuirmos um sistema cultural desenvolvido, os comportamentos que um homem sedutor apresenta, podem ainda serem considerados naturais, desde que estes não tenham sido aprendidos de maneira formal, ou seja, através de um estudo consciente, e sim apenas na sua convivência cotidiana com as pessoas e situações de sua sociedade e cultura, mesmo que estas influencie e condicionem consideravelmente as suas ações.

Esta segunda definição afirma categoricamente que algo aprendido conscientemente tira a naturalidade do homem para sempre, logo um aprendizado consciente nunca pode novamente se tornar inconsciente, porque querendo ou não o homem sempre terá consciência daquilo que está fazendo.

A segunda definição é vista como uma condição humana influenciável. Ou seja, com uma certa mistura entre comportamentos inatos e comportamentos socialmente condicionados de maneira inteiramente inconsciente.


A Naturalidade como um métodoA terceira definição é ainda mais flexível e assume que mesmo vivendo em sociedade e estudando de maneira formal a sedução, ainda é possível atingir o nível de um sedutor natural, desde que se foque primeiramente em desenvolver as suas qualidades internas (Inner Game) e o jogo externo (Other Game) se limite apenas a algumas dicas de comportamento e comunicação, de como fazer e dizer, e não mais a textos e comportamentos decorados, ou seja, sobre o que exatamente fazer e dizer.

O foco no Other Game é trocado pelo foco no Inner Game, e não se pode mais decorar textos e frases sobre o que dizer a uma garota, ou se quer decorar uma forma linear de se comportar com a mulher. O processo do Other Game agora é focado no como fazer e dizer e não mais no que fazer e dizer, e o sistema linear de sedução é substituído por uma maneira mais dinâmica de se entender a sedução.

Está terceira definição é vista não como uma condição humana, mas sim como um método.


A Naturalidade como um estágio da aprendizagemA quarta definição é a mais flexível de todas, e assume que qualquer homem e qualquer comportamento pode se tornar NATURAL. Ela assume que quando não estudamos ou sabemos conscientemente algo, somos naturais porque nossos comportamentos fluem de forma inconsciente, podemos ser pouco científicos e eficientes, mas ainda assim somos naturais.

Então começamos a aprender algum novo método, técnica ou maneira de se fazer algo, e neste momento deixamos de ser natural, pois cada comportamento e cada ação nossa é previamente calculada e repassada em nossas mentes, antes que se transfigure em ação ou comportamento no mundo real. Portanto os nossos comportamentos e atitudes não nascem mais de maneira inconscientes, pois nós estamos conscientes de tudo que fazemos o tempo todo.

Mas esta quarta maneira de entender o conceito natural assume que através da prática daquilo que estudamos e aprendemos de maneira formal, os nossos comportamentos conscientes, agora, científicos e mecânicos, podem novamente se tornar processos inconscientes de comportamento, com a prática constante o aprendizado tende-se a se internalizar, e nossos reflexos e comportamentos se tornam novamente processos inconscientes de ação e reação, onde nossas atitudes e comportamentos não precisam mais serem repassados mentalmente antes de serem executados no mundo real, eles simplesmente fluem de acordo com aquilo que acontece do lado de fora, por tanto votamos a nos tornar NATURAIS.

Está quarta definição é vista como um estágio da aprendizagem dos comportamentos humanos, e não mais como um método ou uma condição humana inata e determinista.

ANÚNCIOS

Avatar pua
william.wbs

Aprendiz

#971121 Eu concordo muito mais com a terceira e quarta definições, comparo isso com outras coisas que aprendemos na sociedade atual.
Recentemente tirei minha CNH e nunca havia dirigido um carro antes de começar o processo de tira-la. Para mim, trocar as marchas e manter o controle do giro do motor para que ele não morra era um processo consciente. Eu ativamente pensava em qual era o próximo passo, e só então o executava.

Resultado? Eu me pegava pensando se fiz a análise correta, às vezes forçava muito o motor, às vezes ele morria, enfim, coisas de iniciante. Porém, hoje isso já é natural para mim. Eu não penso (não ativamente) sobre, simplesmente prevejo com base no ambiente (como uma subida à frente) e no som do motor quando devo trocar de marcha e o faço sem me dar conta.

Considero que o ser humano é altamente adaptável (até por isso somos fucking 7 milhões nesse planeta), podemos aprender e internalizar virtualmente qualquer coisa.