Relatos pessoais, artigos, textos e vídeos para motivar qualquer um.
Avatar pua

Criador do tópico

massaroli

Veterano - nível 7

#385106 Boa noite moçada, como vão?
Estava lendo o livro do Paulo Coelho "O Diario de um mago", em determinada parte, tomo um puto de um tapa na cara, e penso "mãe de Deus"... Talvez o post fique meio sem sentido, mas foquem no exercicio, e no pensamento do mesmo, nao tente entender a história.(pra isso, leia o livro, recomendadissimo).Bem, vamos ao post :ae



O EXERCÍCIO DO ENTERRADO VIVO
Deite-se no chão e relaxe. Cruze as mãos sobre o peito, na postura de morto.
Imagine todos os detalhes de seu enterro, se ele fosse realizado amanhã. A única diferença é
que você está sendo enterrado vivo. À medida em que a história vai se desenrolando – capela, caminhada até
o túmulo, descida do caixão, os vermes na sepultura – você vai tensionando cada vez mais todos os músculos,
num desesperado esforço de se mover. Mas não se move. Até que, quando não agüentar mais, num
movimento que envolva todo o seu corpo, você atira para os lados as táboas do caixão, respira fundo, e está
livre. Este movimento terá mais efeito se for acompanhado de um grito, um grito saído das profundezas de
seu corpo.

Resultado:

Estava ali sozinho no campo e, se gritasse, ninguém iria me escutar. Lembrei-me de que
poderia ter tido um colapso aquela manhã. Nunca, em toda a minha vida, havia sentido meu coração tão
descontrolado.
E se eu tivesse morrido? A vida teria se acabado, era a conclusão mais lógica. Durante o
meu caminho na Tradição, eu já conversara com muitos espíritos. Tinha absoluta certeza da vida após a
morte, mas nunca me ocorrera perguntar como é que esta transição se dava. Passar de uma dimensão para a
outra, por mais preparado que a gente esteja, deve ser terrível. Se eu tivesse morrido aquela manhã, por
exemplo, não teria o menor sentido o Caminho de Santiago, os anos de estudo, as saudades da família, o
dinheiro escondido no meu cinto. Lembrei-me de uma planta que eu tinha em cima da mesa de trabalho, no
Brasil. A planta continuaria, como continuariam as outras plantas, os ônibus, o verdureiro da esquina que
sempre cobrava mais caro, a telefonista que me informava os números fora do catálogo. Todas estas pequenas
coisas – que podiam desaparecer se eu tivesse tido um colapso naquela manhã – ganharam de repente uma
enorme importância para mim. Eram elas, e não as estrelas ou a sabedoria, que me diziam que eu estava vivo.
A noite agora estava bem escura, e no horizonte eu podia distingüir o brilho débil da cidade.
Deitei no chão e fiquei olhando os galhos de árvore acima de minha cabeça. Comecei a ouvir estranhos
ruídos, ruídos de toda espécie. Eram os animais noturnos que saíam para a caçada. Petrus não podia saber
tudo, se ele era tão humano quanto eu. Que garantia eu podia ter de que realmente não existiam serpentes
venenosas, E os lobos, os eternos lobos europeus, não podiam ter resolvido passear aquela noite por ali,
sentindo o meu cheiro? Um ruído mais forte, semelhante a um galho quebrando, me assustou e o meu coração
disparou de novo.

Estava ficando muito tenso, o melhor era fazer logo o exercício e ir para o hotel. Comecei a
relaxar e cruzei as mãos sobre o peito, na postura de morto. Alguma coisa ao meu lado se mexeu. Eu dei um
pulo e fiquei imediatamente de pé.
Não era nada. A noite tinha invadido tudo, e tinha trazido consigo os terrores do homem.
Deitei-me de novo, desta vez decidido a transformar qualquer medo em um estímulo para o exercício. Percebi
que apesar da temperatura haver baixado bastante, eu estava suando.
Imaginei o caixão sendo fechado, e os parafusos colocados no lugar. Eu estava imóvel, mas
estava vivo, e tinha vontade de dizer para a minha família que estava vendo tudo, que os amava, mas nenhum
som saía da minha boca. Meu pai, minha mãe chorando, os amigos à minha volta, e eu estava sozinho! Com
tanta gente querida ali, ninguém era capaz de perceber que eu estava vivo, que ainda não tinha feito tudo que
desejava fazer neste mundo. Tentava desesperadamente abrir os olhos, fazer um sinal, dar uma pancada na
tampa do caixão. Mas nada em meu corpo se movia.
Senti que o caixão balançava, estavam me transportando para o túmulo. Podia ouvir o ruído
de anéis roçando nas alças de ferro, os passos das pessoas atrás, uma ou outra voz conversando. Alguém disse
que tinha um jantar mais tarde, outro comentou que eu havia morrido cedo. O cheiro das flores em torno de
minha cabeça começou a me sufocar.
Lembrei-me que eu havia deixado de cortejar duas ou três mulheres, temendo ser rejeitado.
Lembrei-me também de algumas ocasiões em que eu tinha deixado de fazer o que queria, achando que podia
fazer mais tarde. Senti uma enorme pena de mim, não só porque estava sendo enterrado vivo, mas porque
havia tido medo de viver. Qual o medo de levar um “não”, de deixar uma coisa para fazer depois, se o mais
importante de tudo era gozar plenamente a vida? Ali estava eu trancado num caixão, e já era tarde demais
para voltar atrás e demonstrar a coragem que eu precisava ter tido.
Ali estava eu, que tinha sido o meu próprio Judas e traído a mim mesmo. Ali estava sem
poder mover um músculo, a cabeça gritando por socorro e as pessoas lá fora imersas na vida, preocupadas
com o que iam fazer à noite, olhando estátuas e edifícios que eu nunca mais tornaria a ver. Um sentimento de
grande injustiça me invadiu, por haver sido enterrado, enquanto os outros continuavam vivendo. Melhor teria
sido, uma grande catástrofe, e todos nós juntos no mesmo barco, em direção ao mesmo ponto negro para o
qual me carregavam agora. Socorro! Eu estou vivo, não morri, minha cabeça continua funcionando!
Colocaram meu caixão na borda da sepultura. Vão me enterrar! Minha mulher vai me
esquecer, vai casar com outro e vai gastar o dinheiro que lutamos para juntar durante todos estes anos! Mas
que importância tem isto? Eu quero estar com ela agora, porque estou vivo!
Ouço choros, sinto que dos meus olhos também rolaram duas lágrimas. Se eles abrissem o
caixão agora, iam ver e iam me salvar. Mas tudo que sinto é o caixão baixando na sepultura. De repente, tudo
fica escuro. Antes entrava uma frestinha de luz pela borda do caixão, mas agora a escuridão é total. As pás
dos coveiros estão cimentando o túmulo, e eu estou vivo! Enterrado vivo! Sinto o ar ficar pesado, o cheiro das
flores é insuportável, e ouço os passos das pessoas indo embora. O terror é total. Não consigo me mexer, e se
forem embora agora em breve vai ser de noite e ninguém vai me escutar batendo na tumba!
Os passos se afastam, ninguém ouve os gritos que dá meu pensamento, estou sozinho e a
escuridão, o ar abafado, o cheiro das flores começam a me enlouquecer. De repente, ouço um ruído. São os
vermes, os vermes que se aproximam para me devorar vivo. Tento com todas as minhas forças mover alguma
parte do corpo, mas tudo permanece inerte. Os vermes começam a subir pelo meu corpo. São oleosos e frios.
Passeiam pelo meu rosto, entram pelas minhas calças. Um deles penetra no meu ânus, outro começa a se
esgueirar pelo buraco do meu nariz. Socorro! Estou sendo devorado vivo e ninguém me escuta, ninguém me
diz nada. O verme que entrou pelo nariz desce pela minha garganta. Sinto outro entrando pelo ouvido. Preciso
sair daqui! Onde está Deus, que não responde? Começaram a devorar minha garganta e eu não vou poder
nunca mais gritar! Estão entrando por todas as partes, pelo ouvido, pelo canto da boca, pelo buraco do pênis.
Sinto aquelas coisas gosmentas e oleosas dentro de mim, tenho que gritar, tenho que me libertar! Estou
trancado neste túmulo escuro e frio, sozinho, sendo devorado vivo! O ar está faltando, e os vermes estão me
comendo! Tenho que me mover. Tenho que arrebentar este caixão! Meu Deus, junte todas as minhas forças,
porque eu tenho que me mover! EU TENHO QUE SAIR DAQUI; TENHO . EU VOU ME MOVER! VOU
ME MOVER!
CONSEGUI!
As táboas do caixão voaram para todos os lados, o túmulo desapareceu, e eu enchi o peito
com ar puro do Caminho de Santiago. Meu corpo tremia da cabeça aos pés, empapado de suor. Me mexi um
pouco e percebi que meus intestinos haviam se soltado. Mas nada disto tinha importância: eu estava vivo.

A tremedeira continuava e eu não fiz o menor esforço para controlá-la. Uma imensa
sensação de calma interior me invadiu, e eu senti uma espécie de presença ao meu lado. Olhei e vi o rosto de
minha Morte. Não era a morte que eu havia experimentado minutos antes, a morte criada pelos meus terrores
e pela minha imaginação, mas a minha verdadeira Morte, amiga e conselheira, que não ia mais me deixar ser
covarde nem um dia de minha vida. A partir de agora, ela ia me ajudar mais do que a mão e os conselhos de
Petrus. Não ia mais permitir que eu deixasse para o futuro tudo aquilo que eu podia viver agora. Não me
deixaria fugir das lutas da vida, e ia me ajudar a combater o Bom Combate. Nunca mais, em momento algum,
eu iria me sentir ridículo ao fazer qualquer coisa. Porque ali estava ela, dizendo que quando me pegasse nas
mãos para viajarmos até outros mundos, eu não devia carregar comigo o maior pecado de todos: o
Arrependimento. Com a certeza de sua presença, olhando seu rosto gentil, eu tive a certeza de que ia beber
com avidez da fonte de água viva que é esta existência.


É isso ae, e se voce fosse enterrado amanhã? Conseguiria se perdoar por não ter feito tudo oque voce sempre quis?...Eu não conseguiria.
Abraços...Feedem e agradeçam.

ANÚNCIOS

Avatar pua
Lynus

Veterano - nível 9

#388908 cara!!! muito bom teu post, fiquei pasmo aki.. esse texto vai teve um grande significado no mue inner game.. vlw brother :ae
NiceToMeetyou - MEMBRO EXCLUSIVO
#389045
orque ali estava ela, dizendo que quando me pegasse nas
mãos para viajarmos até outros mundos, eu não devia carregar comigo o maior pecado de todos: o
Arrependimento.

Puta mano... essa parte foi foda... Deu arrepio


Lembrei-me que eu havia deixado de cortejar duas ou três mulheres, temendo ser rejeitado.

93% de quem leu, se indentificou com essa parte... faço parte dos93



Belo texto
Abraços