O crescimento pessoal é fundamental para se ter uma vida melhor, considera tão ou mais importante quantos o estudo da sedução. Educação Financeira.
Vamos deixar de ser focados só em mulheres!
Avatar pua

Criador do tópico

Fractal

Entusiasta

#266731
Não falarei muito, pois o texto fala por si.
Esta é uma tentativa de trazer algo novo à nossa casa.


HISTÓRIAS DE PATRUL RINPOCHE
I - Aperfeiçoando a Paciência

Nem todos os praticantes budistas dedicados são monges em mosteiros. Há uma grande tradição de iogues tibetanos que vivem como eremitas, meditando e orando solitários. Outros erram livres e desapegados, anacoretas sem status social ou posses, aparentando serem meros mendigos ou vagabundos, mas na verdade estando mais próximos dos místicos loucos sagrados dos tempos ancestrais, os siddhas da Índia.

Dza Patrul Rinpoche foi o maior mestre Dzogchen (Grande Perfeição) da virada do século. Famoso como professor, poeta e autor, viajou pelo Tibete oriental completamente anônimo, vestindo um traje nômade feito a mão de pele de ovelha. Poucos reconheciam este reverenciado lama ao qual todos queriam conhecer.

Patrul Rinpoche era conhecido pelo seu rude estilo de vida, comportamento iconoclástico e aparência despretensiosa, bem como por sua imensa erudição e realização espiritual. Profundamente preocupado em manter os praticantes focados na essência da espiritualidade em contraponto as meras convenções formais, ele nunca hesitou em denunciar a pretensão e a hipocrisia/

Um século atrás, o iluminado vagabundo Patrul Rinpoche estava divagando como um mendicante anônimo quando ficou sabendo de um famoso eremita que vivia a muito tempo em reclusão. Patrul foi visitá-lo, entrando na escura caverna do monge sem ser convidado e espiando por todos os lados com um sorriso irônico em seu rosto castigado.

"Quem és?" perguntou o eremita. "De onde viestes, para onde vais?"

"Venho da direção atrás das minhas costas e vou na direção que está a minha frente," respondeu Patrul.

O eremita ficou perplexo. "Onde nascestes?"

"Na terra," foi a resposta.

O eremita ficou um pouco agitado. "Como é teu nome?" ele exigiu. "Iogue Além da Ação," respondeu o convidado inesperado.

Então Patrul Rinpoche inocentemente perguntou porque o eremita vivia em um lugar tão remoto. Era uma questão que o eremita, com algum orgulho, estava preparado para responder.

"Estou aqui há vinte anos. Tenho meditando na Perfeição da Paciência transcendental."

"Essa é boa!" disse o visitante anônimo. Então, chegando mais perto, como se para dizer um segredo, Patrul sussurrou, "Duas fraudes como nós nunca conseguiriam fazer uma coisa dessas!"

O irado eremita levantou rápido de seu assento. "Quem tu pensas que és, perturbando meu retiro assim? Que te fez vir aqui? Porque não podias deixar um humilde praticante como eu meditando em paz?!" ele explodiu.

"E agora, amigo," disse calmamente Patrul, "onde está sua perfeita paciência?"

--------

(tradução: padma dorje)

ANÚNCIOS

Lcgnardo

Aprendiz

#266776 Sábio texto e que reflete muito do que acontece na sociedade.
Pessoas se revestem de uma "carcaça" que não condiz com o seu verdadeiro interior.
Tentando passar algo pro lado pua, diria que devemos internalizar os conceitos e sentimentos alpha, para assim obter um estágio avançado de inteligência social. Boa contribuição parceiro!
Fon

PUA EXPERT

#266779 Legal essa história!

Fiz algumas analogias e as trarei em forma de questionamento. Talvez sirva para alguém.



1. Até que ponto EU sou um eremita meditando na caverna? Quer dizer, um PUA lendo atrás do computador, dentro de casa.
2. Conheço muito da teoria. Penso bastante a respeito da sedução. Mas na PRÁTICA, quanto domino isso? Não há dúvidas de que a prática é a parte mais importante. Porque então não estou investindo CONSTANTE e SERIAMENTE na prática? Até que ponto estou ME SABOTANDO consciente ou inconscientemente?



Saia da caverna jovem Padawan. Que a força esteja com você!
PUAMesquita

PUA EXPERT

#266780
Fractal escreveu:Outros erram livres e desapegados, anacoretas sem status social ou posses, aparentando serem meros mendigos ou vagabundos, mas na verdade estando mais próximos dos místicos loucos sagrados dos tempos ancestrais


kkk. Nossa cara serio isso, não sabia que um mendigo poderia estar mais perto dos místicos loucos sagrados dos tempos ancestrais kkk.

Mass poxa muito engraçada essa parte do cade sua paciência agora.

Valeu a pena ter o lido.


Abraço! :ae

brunohenry

Aprendiz

#298748 Muito interessante o texto, conheço pouco sobre o budismo, mas me pareçe que os budistas são os mais elvados espiritualmente.
Kïng

Pickup Artist

#299494
Fon escreveu:Legal essa história!

Fiz algumas analogias e as trarei em forma de questionamento. Talvez sirva para alguém.



1. Até que ponto EU sou um eremita meditando na caverna? Quer dizer, um PUA lendo atrás do computador, dentro de casa.
2. Conheço muito da teoria. Penso bastante a respeito da sedução. Mas na PRÁTICA, quanto domino isso? Não há dúvidas de que a prática é a parte mais importante. Porque então não estou investindo CONSTANTE e SERIAMENTE na prática? Até que ponto estou ME SABOTANDO consciente ou inconscientemente?



Saia da caverna jovem Padawan. Que a força esteja com você!



FODA CARA! Paguei pau.

E realmente faz todo o sentido; o eremita lá só ficava na dele sem praticar a paciência... Ou seja, perdeu 20 anos de sua vida.


Mt bom esse texto Fractal, continue assim, postando eles :D