Aqui é aonde Arquivamos as discussões e debates do PUABASE.
Apenas Membros VIPS
Organização sempre!
Dom Gambito
#958553 Como alguém que já possui experiência alinhada por uma postura inicial definida, digo que preciso dizer o que penso e pensei durante minhas idas e vivências.

Quem sou euRegistrei no forum em 2011, naquela época era bem diferente do que sou hoje. Meu principal grande probrema sempre foi a falta de tato social, antes eu era ruim em perceber sinais sociais simples que orientam a vida de quase todas as pessoas, ao decidir "mudar" de vida com o PUA, minha falta de tato persistia mas sobre manifestações diferentes. Precisei de alguns anos até conseguir o amadurecimento necessário ao tato. Minha cabeça é boa, tenho imaginação, vivo por empreender idéias, consegui coisas boas e assim tenho um futuro favorável provável.


Sobre este aspecto, afirmo categoricamente, que a maior doença de todo o universo masculino chama-se ódio.


Não é difícil entender o quanto o ódio corroi a mente das pessoas, o ódio manifesta-se de formas tão diversas e distintas que depois de elucidado torna-se impossível não observa-lo em quase todos os lugares, como um faixo de luz a tornar explícitas as coisas e quimeras das trevas.
Perceber o ódio é essencial para não odiar!
Primeiramente precisamos entender porque parar de odiar é importante e como isso pode te tornar livre e principalmente independente. Quero que você faça uma breve recuperação de suas memórias, pense nas relações passadas, em tudo que foi bom, também nos momentos em que ficou desapontado ou derrotado.
Agora se esforce, o próximo passo será perceber um fator comum que orientou a busca por estes momêntos, a sensação de prazer quando obtidos e a sensação de frustração quando não obtidos. Enquanto seres humanos, queremos coisas parecidas, queremos sentir prazer e não sentir dor. Quando o prazer existe sentimos que as coisas estão finalmente acontecendo, quando é a dor que prevalece buscamos "remédios" que aliviem nosso sofrimento, uns negam a dor, outros atacam sua possível fonte.

Na média, todos sentimos dor de forma semelhante. Homens heterosexuais sentem dor, mulheres heterosexuais sentem dor, homens gays sentem dor, mulheres trans sentem dor, a dor é a unica grande certeza que temos enquanto vivos!
É inerente que pessoas, enquanto indivíduos sociais, sintam uma dor necessariamente causada por uma expectativa não realizada, a expectativa do prazer romântico e sexual. E a forma de ódio que brota desta expectativa pode ser uma das piores em algumas pessoas, onde homens heterosexuais não só estão inclusos como formam o provável maior contingente.

Sobre esta doença só tenho um conselho: PARE AGORA MESMO COM ISSO
Não odeie ninguém, não faça mal a ninguém. Ninguém merece receber uma "vingança" sobre qualquer aspecto, a ética nasce aqui! Esteja no mundo para fazer coisas boas, nunca para torna-lo pior.
Enfim, depois de parar de odiar, você chegará a liberdade em seu sentido puro.

Fiquem na paz!! :rolf
Avatar pua
Shadow™
#958555 Parabéns pela bela mensagem, gostei muito mesmo!