O crescimento pessoal é fundamental para se ter uma vida melhor, considera tão ou mais importante quantos o estudo da sedução. Educação Financeira.
Vamos deixar de ser focados só em mulheres!
Avatar pua

Criador do tópico

GuRock - MEMBRO EXCLUSIVO
#819645 [font=Georgia]
Tutorial GuRock de como sair do BrasilPessoal, já aviso de antemão que esse artigo vai ser IMENSO, mas também o melhor que eu já escrevi, vou ensinar coisas como:


- Como aprender outra língua de uma vez por todas do modo mais fácil (e também do modo mais barato)


- Como obter experiência de trabalho no exterior para fortalecer seu currículo no Brasil.


- Como fazer uma faculdade no exterior e conseguir um diploma de primeiro mundo que vai massacrar seus concorrentes em uma entrevista de emprego.


- Como sair do Brasil de uma vez por todas e conseguir a residência em outro país.


- Porque você deveria aprender a ser Homem, antes de se tornar um Sedutor.


- Porque eu sou tão lindo.





Antes de tudo, uma historinha de porque eu estou escrevendo esse artigo e porque eu tenho a capacidade de escrever ele.

Quando eu estava na quinta série, teve um momento na aula de inglês onde a professora mandou todo mundo responder se morava em uma “house” ou “apartment”. Eu como um bom nerd, tímido e sem ter a menor noção de inglês, respondi algo como “rááze”. A professora disse algo como “tudo bem, é errando que se aprende” e eu fiquei puto da cara.

A partir daquela época, minha vida começou a ser um fracasso atrás de fracasso com mulheres, mas uma coisa eu adorava, música. Eu me lembro bem de quando descobri a influência de uma guitarra na vida de uma pessoa, foi assistindo aquela série Supernatural, lá que eu descobri o AC/DC, e foi nessa época que eu me fiz uma pergunta bem simples “porque essas bandas fodas não tocam no Brasil?”.

Como um bom usuário de internet (e achando que tinha idade pra entrar em algum show hahaha), fui pesquisar, descobri que a maioria dessas bandas era na verdade dos EUA e raramente passavam por aqui. Cheguei pra minha mãe na maior fofura e disse “mãe, vamos pros EUA!” óbvio que ela riu da ideia e disse a famosa frase “filho, não temos dinheiro pra isso”.

Bom, o sonho morreu ali e desde então, anos se passaram. Descobri o Pick Up, tive alguns poucos resultados e cheguei ao ensino médio. Foi nessa época que pela extrema falta de resultados eu abandonei de vez o Pick Up, também foi nessa época que eu tive minha primeira relação mais séria, entrei nela sendo uma criança mimada, me apaixonei, sai estraçalhado, se eu já me achava um merda, passei a me achar a merda que a merda faz quando come muito repolho. Meu psicológico foi pro beleléu, eu era manipulado, tive até uns momentos de psicopata de seguir minha ex, eu queria reatar, eu vivia em tristeza.

Nessa época também chegou à situação do vestibular, eu não estava preocupado em passar, sou bem preguiçoso quando não tenho uma motivação, mas quando eu quero, mando bem em tudo. Minha preocupação era decidir o que eu iria fazer pelo resto da vida. Situação difícil pra quem tem apenas 16 anos certo?

Escolhi Publicidade e Propaganda, 30% por vontade, 70% por falta de opção. Passei de primeira no vestibular e a faculdade começou. Promessa de putaria e American Pie? Que nada. Meu jogo continuava do jeito que sempre foi. Nulo.

Uma certeza que eu sempre tive dentro de mim, foi que tudo iria ficar bem, não sei explicar de onde vinha essa certeza, mas ela estava lá.

E foi na aula de Marketing, que as coisas começaram a mudar. Conheci um professor genial, já tinha construído milhões e quebrado várias vezes na vida, conheceu os 4 cantos do mundo, sagacidade sem limites. Eu notava duas coisas na aula dele, a primeira é que os conceitos de Pick Up que eu tinha aprendido no passado eram bem semelhantes a Marketing. A segunda é que ele não parava de implantar na nossa cabeça os seguintes mindsets:

“Pelo fato de vocês estarem na faculdade, já se separam de uma imensa parte da sociedade, deixo aqui uma dica pra vocês, saiam do Brasil, ao menos por seis meses. Sim, vocês têm essa capacidade.”


“Existem aproximadamente 60 alunos nessa sala, infelizmente Deus (insira sua crença aqui) é bem selecionador, eu diria que a maioria de vocês vai ter uma vida tranquila, mas apenas uns três aqui dentro vão chegar ao topo do mundo. Não por sorte, mas por falta de conhecimento”.

Confesso que as palavras desse professor me motivaram muito, eu sempre me achei capaz, queria testar se eu era mesmo. Foi ai que eu tomei minha decisão. Eu iria viver em outro país.

Acho que eu levei aproximadamente um mês, dedicando minhas tardes a descobrir como morar nos Estados Unidos. Foi ai que eu descobri uma notícia ruim: Não tinha como (explico mais disso depois).

O sonho não morreu por ai, comecei a pesquisar outros países, Inglaterra? É trocar seis por meia dúzia. Austrália ou Nova Zelândia? Pimba havia achado as galinhas dos ovos de ouro. Dois países com alguma possibilidade de imigração. Eu juro pra vocês que a situação a seguir aconteceu. Cheguei pra minha mãe e falei “mãe, vou trancar a faculdade e gastar milhares de dólares pra tentar morar na Nova Zelândia”. Adivinhem a resposta...

Maaaas, como sou brasileiro e não desisto, as pesquisas não pararam. Foi ai que eu descobri o Canadá, a princípio me pareceu idêntico à Nova Zelândia em quesito de imigrar, forcei um pouco mais de pesquisa e fiz uma descoberta que mais parecia mentira do que verdade. Descobri que o Canadá praticamente implora pra você imigrar pra lá, existe um passo a passo, uma receita de bolo que vou explicar logo abaixo.

Novamente cheguei pra minha família e mostrei o processo passo a passo, dessa vez deu certo, o plano pareceu bem sólido pra eles, exceto por uma coisa: Eu. Eles tinham toda a certeza do mundo que eu iria falhar. Nunca havia trabalhado na vida, não tinha noção de inglês, andava todo depressivo por uma relação que havia terminado de forma ruim, péssimo em habilidades sociais, notas ruins na faculdade, etc.

Não teve como não concordar com eles, foi nesse momento que eu iniciei um projeto de mudança de vida, eu não tinha a menor crença em mim, mas dei o primeiro passo, e dia após dia, provava que era capaz de atingir meu objetivo.

- Estudei o básico de inglês por conta própria, me matriculei em uma escola renomeada de inglês e a mágica aconteceu. “De todos os alunos que já passaram por aqui, você é um dos melhores”. Eu não conheci o resto deles, mas uma certeza eu tinha, eu mandava bem. A escola tinha a seguinte regra. Se o aluno tirasse uma nota de 98 a 100 e conseguisse manter a nota até o fim do curso, ganharia desconto na matrícula até se formar. Adivinhem se eu não consegui? O cara que ficou envergonhado por não saber falar “house” na quinta série, havia se tornado o xodó dos professores, o aluno que todo mundo queria dar aula, e o ódio dos professores do ensino médio por fazer todos os meus amigos tirarem 100 passando cola hahaha.

- A academia que eu nunca havia levado a sério, virou determinação que assustava amigos e familiares, o hobbie da minha família era tentar me tirar da dieta, senhor barrigudinho nunca mais.

- As notas baixas da faculdade se tornaram um absurdo, virei o melhor aluno da turma, fiz a famosa professora que adorava sentar o pau no TCC da galera do quarto ano, ficar puta da cara por ter que me dar um 97 de média final.

- Me tornei absurdamente capacitado em Marketing (obrigado Pick Up) e arrumei um emprego.

- A parte mais importante, fiz um bootcamp com o Logun, confesso que não mudei muita coisa nesse momento, a mudança veio um bom tempo depois, quando eu decidi retomar as ideias do Logun com uma mente mais amadurecida e pronta. Nesse momento eu havia virado craque nessa história de Inner Game, comecei a pesquisar cada vez mais e mais conceitos e percebi que havia um padrão, todos praticamente tinham a mesma conclusão, só mudava o jeito de escrever. Depois de uns seis meses só praticando o Inner Game, fui ver se eu estava bom de verdade ou se eu continuava um fracassado.

Balada mais absurda da minha vida, deixei meus famosos amigos que pegavam todas e me zoavam de boca aberta. Cheguei em casa e não conseguia acreditar no que eu tinha feito, 3 KC’s sensacionais, fáceis, em mulheres lindas, atitude saindo até dos dedos do pé. Nesse dia havia nascido o GuRock. Eu voltei pro Pick Up na hora, percebi que tinha muita coisa sobre sedução que eu precisava aprender, e muita coisa sobre Inner Game que eu precisava ensinar.

Nesse momento também criei o Inner Mayhem, minha forma de passar tudo o que me ajudou ao longo desse período. (O que foi? Ainda não conhece o Inner Mayhem? Vêm participar! http://www.puabase.com/forum/apresentacao-projeto-inner-mayhem-t79908.html)



Porque eu estou escrevendo esse artigo hoje?Porque depois de um ano de pesquisas, de evolução, chegou a hora. Tranquei minha faculdade e estou embarcando pro Canadá em outubro. E agora eu vou passar pra vocês o caminho pra fazer isso. Que o artigo comece (sim, você leu essa história a toa e o artigo começa agora).



1. Introdução e recado principalmente para os adolescentes do PuaBaseUm imenso problema que eu vejo por aqui, principalmente do pessoal mais novo, é a ideia de achar que mulher é a parte mais importante da vida da pessoa. O pessoal entra aqui e fica FISSURADO em mulher, alguns até conseguem resultados, mas tenho uma novidade pra vocês: Se vocês continuarem achando que mulher é a área mais importante da vida, vão aprender uma bela lição lá pelos 30 anos.

Você ainda usa o dinheiro dos pais pra pagar suas saídas e baladas? Vire homem antes de virar sedutor.


Você escreve igual um “muleke piranha” porque é o prêmio e não liga pro pensamento dos outros? Vire homem antes de virar sedutor.


Você vai mal na escola, mas chega em casa e já abre o novo livro do Mystery? Vire homem antes de virar sedutor.


Você não tem respeito por porra nenhuma, acha que é o dono do mundo e gosta de brigar? Vire homem antes de virar sedutor.


Estamos em 2013 e você ainda não sabe falar outra língua ou não tem planos para o futuro? Vire homem antes de virar sedutor.

Deixando isso bem claro, vamos à parte que importa.


Aaah o Brasil... O que algumas pessoas não dariam para escapar dessa criminalidade e violência.

Off topic:
Vou falar aqui sobre quatro países e suas chances de passar um tempo, ou até mesmo imigrar para algum deles. Sim, eu ainda não saí do Brasil, o que eu estou escrevendo aqui é com base na experiência de quem saiu e em meses e meses de pesquisa.

Imagem



Estados Unidos da AméricaImagem


Eu logo desisti de imigrar para os EUA assim que descobri que não tinha chances, mas VOCÊ pode ter e nem sabe.

Eu até acho possível você conseguir um visto pra trabalhar lá e conseguir imigrar pela empresa, MAS pelo que eu pesquisei as chances são complicadas, então vamos falar do que interessa.

Você, na faixa dos 14 aos 19, manda bem em algum esporte? E quando eu digo bem, significa BEM. Aquele joguinho de basquete com os amigos todo sábado não conta. Você manda bem em artes, como teatro, canto ou dança? Amigo tenho novidades pra você. Enquanto o Brasil não da à mínima para a sua situação, países como os Estados Unidos, Austrália, Nova Zelândia ou Canadá estão LOUCOS para te oferecer bolsas de estudo de 50% e às vezes até mesmo de 100%! Se você ainda está no ensino médio, saiba que você possui chances de estudar com desconto e ganhar um diploma em uma faculdade de primeiro mundo, reconhecido internacionalmente.

O processo não é um bicho de sete cabeças, mas não é fácil. Primeiro de tudo você precisa pesquisar e planejar, esses países não possuem vestibular, você manda sua aplicação para as faculdades e aguarda se vai ser aceito ou não. A aplicação geralmente inclui suas notas (no ensino médio) e seu nível de fluência em inglês, que é feito por base em um teste chamado TOEFL ou IELTS. Também inclui cartas de recomendação e vídeos, de você mostrando suas habilidades no esporte/arte que quer tentar pegar a bolsa de estudos. A grande diferença entre o Brasil e esses países, é que no Brasil o que importa são as notas altas, lá fora, sua vida fora da escola é importante, eles não querem o nerd que só estuda e tira 10,0. Eles querem o atleta ou o ator que tira 7,0, mas participa de projetos, de atividades comunitárias, etc.

Se você der a sorte de ser aceito, recebe um visto de estudos e talvez um possível visto para trabalhar dentro do campus para juntar uma graninha extra (campus é o local onde você vai morar e estudar, é a faculdade). Caso seu campus não possua moradia, você pode ficar em uma república ou homestay (aquelas casas de família).

Vale lembrar que nos EUA, você também pode fazer um curso de inglês e voltar para o Brasil. Geralmente o tempo máximo é de 6 meses, então você ganha apenas o visto de turista e tem seus direitos bem limitados lá dentro. Após o término, você ainda pode estender o visto por mais seis meses caso queira passear.


Austrália e Nova ZelândiaImagem

Vou falar desses dois países juntos, porque são praticamente iguais em imigração, a única diferença é que a Austrália é MUITO cara pra viver.

Nesses dois países, vale o mesmo que eu falei ali em cima, você pode fazer um curso de inglês, pode conseguir bolsas de estudo por esportes ou artes (apesar que se você for nesse quesito, eu recomendo ir para os EUA).

Agora vamos às diferenças:

Estudo – Aqui o método de entrada é EXTREMAMENTE mais fácil que o dos EUA, é o mesmo sistema de aplicação, a diferença é que suas notas não contam muito, é pagou, entrou.

Nota* Estou falando aqui de cursos técnicos (conhecidos como colleges), aqui no Brasil isso parece besteira que não dá futuro, mas diplomas de cursos técnicos lá fora são MUITO valorizados, tanto que a maioria dos cursos não possui faculdade, apenas esses cursos técnicos que são mais práticos que teóricos, jogando o estudante desde o início no mercado de trabalho. Universidades nesses países de primeiro mundo geralmente são voltadas para cursos que envolvem muita teoria, como direito, medicina, etc. E são extremamente caras. Os cursos técnicos (por durarem apenas de um ano e meio a dois anos), custam mais ou menos o mesmo preço que você pagaria em uma faculdade particular no Brasil.

Ao acabar o curso aqui, você pode conseguir uma oferta de emprego e é possível que seu empregador depois de algum tempo aplique o seu processo de imigração (apesar que acho difícil e não recomendo).

Também existe aqui o sistema de imigração por pontuação, geralmente é voltado para pessoas mais velhas (não tão velhas) que desejam imigrar, funciona da seguinte maneira:

Você é avaliado pela imigração do país e seu objetivo é atingir uma determinada pontuação (se eu não me engano, 67 de 100 pontos).

São diversas categorias de avaliação.


- Idade (Quanto mais novo, mais pontos)

- Grau de escolaridade (Ensino médio não tem nem chances aqui, ensino superior no país desejado já é um bom início, pós graduação pra cima já te garante vários pontos, mestrado, doutorado, PhD, PHoscaraio é pontuação máxima).

- Experiência de trabalho dentro do país desejado (outro fator fundamental, é necessário ter pelo menos uma oferta de emprego dentro do país desejado. Faxineiro não conta, precisa ser em uma área da lista de imigração do país (confira e pesquise no site do país desejado).

- Domínio de inglês (extremamente fundamental, inglês intermediário é o mínimo, mas geralmente não basta. Provável fluência é necessária).

- Se você já possui parentes morando no país, esposa, pais, etc.

- Se você tem nacionalidade do país, ou algum antepassado comprovado de lá.

E vários outros fatores.


Ao mandar sua aplicação, seu processo é analisado, caso aceito, você vira residente permanente do país, podendo morar, trabalhar, etc.



CanadáImagem

É DESSE que eu quero falar.

Por um simples motivo, enquanto os outros países não precisam tanto de imigrantes, o Canadá PRECISA de você de todas as formas possíveis, é um país com uma vasta área demográfica e pouquíssimos habitantes, então o processo é simples, se você manda bem, eles querem seu corpo nu por lá (tanto é que eles possuem mais de 50 métodos de imigração, e todo ano, 250 mil pessoas de todo o mundo viram residentes permanentes por lá).

É claro que não vou citar aqui todas as 50, só as mais comuns.

A primeira, é exatamente igual a da Austrália e Nova Zelândia, o sistema de pontuações que eu falei ali em cima, geralmente pra pessoas mais velhas e com experiência de trabalho.

A segunda, é por apadrinhamento, se você é parente de algum residente canadense, entra lá.

A terceira é como empreendedor, opção nova que surgiu esse ano, se você possui uma proposta de negócio viável para abrir no Canadá, é bem vindo.

A quarta e MAIS IMPORTANTE. Praticamente o assunto do artigo, é a galinha dos ovos de ouro do Canadá, o Canadian Experience Class.

Ele funciona de um jeito bem simples de ser explicado, se você possui um ano de trabalho em período integral no Canadá (trabalho na lista de empregos aceitos, pesquise), você imigra. Parece simples, não? Sim, esse programa é praticamente vestibular da PUC no Brasil, pagou passou.
[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]
Agora vou passar o tutorial pra quem se interessou pelo CEC.[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]Primeiro de tudo você precisa passar no IELTS, que é um teste para medir seu nível de inglês. Para isso, eu recomendo que você estude MUITO, não recomendo cursos de inglês aqui no Brasil, eles são bons pra quem quer ter uma base profissional, mas pra morar em outro país, só fazendo um curso de inglês lá.[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]Ao se matricular no curso, que pode durar de um a seis meses, você recebe um visto básico de turista, pode ficar em uma homestay, na casa de alguém, em uma república ou até mesmo alugar um apartamento por lá.[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]Enquanto faz o curso, eu recomendo que você já vá pesquisando colleges para aplicar, considero importante fazer isso de dentro do Canadá mesmo, pois são várias histórias de estudantes que conseguiram negociar planos ótimos de pagamento e vários descontos.[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]Após o curso terminar, você faz o IELTS, e manda o resultado dele junto com a aplicação para o college escolhido. Ao ser aceito, você vai precisar de um study permit, que é o visto de estudos. Para isso, você precisa sair do Canadá (alguns voltam para o Brasil, outros ficam nos EUA mesmo, que é logo em baixo, já que o processo é rápido). E aplicar de fora do país para pegar o study permit. Ai você volta para fazer o college.[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]Os preços variam, acredito que de pra negociar sempre, mas aplicando daqui do Brasil, a semestralidade (sim, lá você paga por semestre e não por mês), gira em torno de $6000, o curso tem duração de apenas dois anos.[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]*****Uma estratégia para não precisar sair do Canadá para pegar o study permit, é entrar já com ele, para isso, ao invés de se matricular apenas em um curso de inglês, você entra em um programa de estudo e trabalho. É o mesmo processo, você estuda inglês por X meses, só que depois, você tem o direito de trabalhar lá dentro pelo mesmo número de meses que estudou. Considero isso uma grande vantagem se você sabe fazer network, e pelo fato que você já entra lá com o study permit.[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]Depois do primeiro ano de college (ou depois de seis meses, não lembro). Você ganha um visto para trabalhar no Canadá. Você vai ter TRÊS anos (caso tenha feito um college de dois anos) de direito de trabalho, nesses três anos, você precisa juntar um ano de experiência de trabalho integral em uma área elegível pela imigração (não precisa ser a mesma área que você fez o seu curso, basta arranjar o emprego, o curso é apenas válido por te dar um visto de trabalho).[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]Depois de se formar no college, parabéns, você tem um diploma válido e super valorizado ao redor do mundo E só precisa juntar a experiência de trabalho para se tornar um residente canadense, com direito a melhores condições de vida.
[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]Off topic:
O artigo vai acabando por aqui, espero que você tenha aprendido que é possível sim, morar em outro país, tudo depende de planejamento, foco e determinação. Você vai abdicar do falso conforto que possui no Brasil, de família, amigos, etc. Para se aventurar em terras desconhecidas.[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]
LINKS ÚTEIS[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]Imagem[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]Pra você que se interessou pelo artigo, deixo aqui mais informações de pesquisa.[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]*Indiretamente, o canal que eu mais recomendo é o do Canadá para Brasileiros, é de dois irmãos, que não tinham nenhum vínculo com o Canadá, criaram coragem, planejaram, foram, e hoje trouxeram até os pais deles pra morarem lá.[/font]
[font=Georgia]No youtube, os canais:[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]Canadá para Brasileiros (dos irmãos Prezia, que também possuem um blog recheado de artigos que eu recomendo)[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]Realidade Americana (do Carlinhos Troll)[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]Pequeno Sapeca (do Edu)[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]Acorda Brasil (do Lfnobre)[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]O canal do Izzy Nobre [/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]Para dicas de inglês, o blog English Experts[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]Para dicas de educação financeira, o blog Dinheirama[/font]

[font=Georgia]E para quem quer um treinamento voltado para Inner Game, http://www.puabase.com/forum/apresentacao-projeto-inner-mayhem-t79908.html[/font]
[font=Georgia]
[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]Para os sobreviventes do tópico, comentem, críticas, sugestões, etc.[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]Aliás, quero deixar bem claro que não vou responder dúvidas aqui, acho que se você não consegue pesquisar por conta própria (te deixei vários links), não tem o perfil pra imigrar. Só vou responder se eu gostar muito de você, ou se a dúvida for muito boa hahaha.[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]Além de planejamento, é necessário coragem, falar mal do Brasil é uma coisa, ir as ruas pra manifestar é outra, buscar realmente melhores condições de vida é outra.
[/font][font=Georgia][/font]
[font=Georgia]Para os que já tiveram ou estão tendo alguma experiência no exterior, compartilhem sua opinião.[/font]
[font=Georgia][/font]
[font=Georgia]Abraços, GuRock[/font]
Editado pela última vez por GuRock em 17 Jun 2013, 16:54, num total de 1 vezes

ANÚNCIOS

Avatar pua

Criador do tópico

GuRock - MEMBRO EXCLUSIVO
#819667
Felipe Paes escreveu:Ótimo artigo, Podia ter falado de países europeus..

Abraços !!



Não cheguei a passar tempo pesquisando paises da Europa além da Inglaterra, que por sinal não vale nem um pouco a pena a imigração. Preços abusivos lá dentro. Se você tiver a oportunidade, é claro que recomendo ir, mas essas opções que citei acima são bem mais interessantes.
Avatar pua
WiSoares

Veterano - nível 1

#819677 E PRONTO !!!

Ja descobri o que mais fazer em minha vida... Imagem

Parabéns pelo topico GuRock... bem detalhado bem explicado e muito esclarecedor...
ja vou fazer planos de como juntar dinheiro para poder concretizar esse plano.

abraço.
Avatar pua
mágico

Aprendiz

#819681 Muito bom cara! Também faço Publicidade e Propaganda e ainda pretendo morar fora do país depois que me formar, esse teu artigo será de grande ajuda para mim futuramente. Só uma questão: onde que tu fez inglês? To afim de fazer também.
Avatar pua
jussye - MEMBRO EXCLUSIVO
#819695 Nessas tuas pesquisas aí, qual o lugar mais barato pra ir curtir uns dias, sem precisar de visto?
Ano que vem quero dar uma banda por algum país, mas apenas com passaporte e que não fosse muito caro.
Avatar pua
jussye - MEMBRO EXCLUSIVO
#819697 Nessas tuas pesquisas aí, qual o lugar mais barato pra ir curtir uns dias, sem precisar de visto?
Ano que vem quero dar uma banda por algum país, mas apenas com passaporte e que não fosse muito caro.