Aqui é aonde Arquivamos as discussões e debates do PUABASE.
Apenas Membros VIPS
Organização sempre!

Criador do tópico

magico2012

Aprendiz

#868911 Olá a todos,

venho por meio deste post tentar acrescentar à comunidade um pouco do que já aprendi nesses anos de jogo. Em geral vejo material tratando do uso de wing para o jogo próprio do player, mas hoje gostaria de tratar o jogo do ponto de vista do próprio wing.

Minha experiência como wing começou pelo motivo imaginado mais óbvio: timidez. No entanto, ao longo do tempo, percebi características muito interessantes neste estilo de posicionamento dentro do jogo.

O primeiro ponto é perceber a sua função como wing no jogo. Apesar de você não ser o "ator principal" no ato, sua função pode ser crucial. Equivale um pouco ao que um armador é no basquete, ou ao que um meia é no futebol. Seu papel é por trás das cortinas. É o "escada" dos filmes de comédia. Por um lado, pode não ter o estrelato da função de player, por outro é quem pode tornar a coisa toda muito mais interessante.

O segundo ponto claro que ficou para mim, nos anos que joguei na maior parte das vezes como wing, é o fato da pressão ser quase nula nesse ponto. Indico inclusive, para quem está começando, a ser wing de algum player mais experiente. A possibilidade de estar dentro de um set e vê-lo "pegar fogo" faz seu inner game melhorar bastante. Fora o fato de você estar jogando de uma maneira ou outra. Afinal, o wing tem que ser capaz, por exemplo, de observar detalhes do bloqueio afim de manter um diálogo interessante. O que será uma habilidade que o wing utilizará em seus próprios sets futuros, quando for player.

Um terceiro ponto, relacionado com o fato de estar imerso em um set, é a capacidade de aprender sobre a dinâmica social in situ. É como o sparring do boxe, ou mesmo um parceiro de treino de artes marciais com kata (como o aikido). Ser wing te permite estar ali, no set, cercado do jogo por completo e aprender no olho do furacão. Não em vídeo de sarges. Não em relatos. Mas ali. Dentro do jogo. Você aprende os detalhes, na pele.

Para finalizar, gostaria de deixar alguns aprendizados ganhos em campo:
- O wing é o estado de mínima energia do set. Se as coisas estiverem devagar, é o wing que vai manter a energia do set;

- O wing precisa ser sensível ao fluxo de energia do set;

- As ações do wing precisam ter como objetivo o isolamento do player com o alvo;

- O wing PRECISA ter a capacidade de criar empatia instantaneamente com os bloqueios. Independente de quem sejam! Mulheres, homens, gays ou não... . O wing precisa ter a capacidade de ser interessante para os bloqueios em uma fração de segundo;

- O wing precisa ser um bom contador de histórias. Não apenas sobre si - para criar um ambiente interessante ou isolar o bloqueio - mas também para poder contar características sobre o player;

- O wing precisa ter a capacidade de soltar algumas informações sobre o player, sem ser de maneira óbvia, no set como um todo;

- O wing precisa saber dançar. É uma boa forma de tomar os bloqueios e isolar o player e o alvo;

Ficam aqui minhas contribuições para a comunidade sobre o tema.

Abracos.

ANÚNCIOS