Membros normais não podem criar tópicos mas podem responder tópicos dos veteranos.


Ao atingir mais de 1 ano de cadastro ou envio de mais de 200 mensagens você automáticamente se torna membro veterano e pode postar nessa área.
Avatar pua

Criador do tópico

fwardkoff - MEMBRO EXCLUSIVO
#1096762 Hoje estou aqui para um relato um tanto quanto diferente, longe de ser algo que eu peguei alguma HB ou chorando por ex, na realidade resolvi contar sobre o meu término e em especial no ocorrido ontem, a primeira vez que vi minha ex desde que terminei.

Basicamente eu namorei por mais de 4 anos com ela, até que eu já não estava satisfeito com a relação e resolvi por um ponto final. Ela queria de todo o jeito continuar, mas eu não tinha mais nenhuma vontade. Aconteceu que após terminar eu tive a péssima ideia de que poderia continuar amigo da minha ex, que ela teria maturidade o suficiente para aceitar o término e seguiriamos nossa vida comumente, ledo engano. [/color]Terminamos e eu a mantive em todas as minha redes sociais, inclusive conversamos nos primeiros dias, até que eu resolvi sair pela primeira vez solteiro e a merda começou. Mesmo eu evitando de postar qualquer coisa que me ligasse a alguma mulher, ela vivia me stalkeando, mandando mensagem para mim, para minha família e amigos. Não sei como, mas ela descobriu que eu tinha saído com uma HB em outra cidade, o pior de tudo que ela ficou me ligando durante a noite, me enviando várias mensagens. Todas ignoradas!

Assim seguiu e depois de mais algumas incomodações com ela eu tive a primeira atitude, bloqueei ela do instagram. Depois disso eu tive que tomar outra atitude, bloquear o número para não receber ligações/sms. Feito isto eu tive que bloquear no facebook até que há 3 semanas atrás eu tive que bloquear no whatsapp. Se eu pudesse ter refeito isso tudo, eu teria bloqueado ela já no primeiro dia que terminei, não existe isto de amigo de ex. Só me deu dor de cabeça, ela ficava adicionando as HBs que eu seguia no Insta, mandava mensagem, ela literalmente estava infernizando.

Entre toda essa loucura ela começou a frequentar a minha academia, sendo que a vida toda dela ela nunca tinha feito, o pior de tudo que ela começou a ir no meu horário. Como eu sei? Não, eu não estava indo na academia, todavia uma amiga minha que vai no meu horário me alertou. Acabou que durante os primeiros 2 meses do término eu evitava qualquer lugar que pudesse encontrar a minha ex, tudo para evitar um possível vexame que ela causaria.

Até que ontem eu estava na academia e pela primeira vez acabei encontrando com ela. Eu estava fazendo o voador, que é o equipamento mais próximo da catraca da academia, quando vi que chegou alguém, de relance olhei e vi que era ela, mesmo olhando para frente, focado no exercício ela passou e me cumprimentou, beleza eu cumprimentei de volta. Afinal educação e maturidade são essenciais, achei inclusive que ela se saiu muito bem, porque ela deu um OI bem contida, algo que nitidamente foi por educação. Terminei meu treino de peitoral e subi para finalizar com o treino de ABS, acontece que ela estava lá em cima e exatamente na parte que eu utilizaria. A realidade é que ela conhece minha rotina, ela sabe que eu frequentava aquela academia, sabia que eu ia em um horário fixo e inclusive tinha conhecimento do meu treino, então para mim aquilo foi algo proposital também. Eu evitei qualquer contato com ela, simplesmente não a olhei e fui diretamente pegar meu colchonete para dar início ao meu treino. Acontece que quando peguei e estava indo em direção ao meu cantinho, ela atravessou todo o lugar e veio reto em mim, ela abriu um baita sorriso e disse "oiiii", sim, foi aqueles OI bem de IDI. Como eu reagi? Eu simplesmente virei a cara, coloquei meu colchonete no chão e dei início ao treino.

Muitos aqui podem dizer que fui imaturo ou grosso, entretanto eu julgo o contrário, eu fui apenas seco. Entendam que eu já havia cumprimentado ela lá embaixo, não havia motivo algum para conversar ou muito menos eu dei alguma brecha para ela sequer cogitar isso. Tudo que fiz foi cortar qualquer contato e evitar de criar qualquer fantasia na cabeça dela.

Coloquei meu timer para fazer a prancha e percebi que em menos de 30 segundos ela passou como um risco, pensei na hora que ela havia ido treinar na parte inferior da academia. Entretanto, ao sair da academia, não a vi por lá, imaginei que ela pudesse estar num cantinho e não a vi mesmo. Todavia, hoje ao ir trabalhar, uma colega minha que estava no momento me contou que a minha ex passou chorando e com uma cara de raiva e foi embora! Sim meus camaradas, eu realmente mexi com ela a ponto dela ficar triste, com raiva e nem sequer treinar, ela não ficou 10minutos até ir embora.

Pensando depois do ocorrido, inclusive conversando com outras pessoas, foi unânime que não fui grosso ou mal educado, eu simplesmente fui seco. Me falaram que eu poderia ter dado um OI, tudo bem? E focado no treino, que eu não precisava ter ignorado. Mas acordaram também que não havia motivos para ela vir me cumprimentar uma segunda vez e que ela mesma causou a situação.

O que tiro disso é que de tanto ela procurar me encontrar, de tanto ela ficar tentando me encontrar ela finalmente conseguiu, ela foi vítima da situação que ela mesma causou. Eu entendo que fui muito seco, num próximo encontro eu serei mais cordial, todavia julgo que foi bom ter acontecido assim, porque tira qualquer pensamento fantasioso da cabeça dela que nós ainda possamos ter uma chance.

Eu realmente não sei o que pode vir a acontecer, o lance é que ela era muito apaixonada em mim, realmente fantasiava casamento, filhos e vislumbrava em mim um futuro que, eu nunca prometi que teríamos. Espero que agora ela consiga realmente aceitar o fato de que rompemos e não existe a chance de reatar. A realidade é que isto não cabe a mim, a vida é dela e ela que siga do jeito que quiser, desde que pare de me perseguir.

Então é isso, comentem o que acharam. Já espero que alguns irão dizer que fui grosso, que fui imaturo ou até mesmo que esta minha reação demonstrou que ainda sinto algo por ela. Entretanto a realidade é que não tenho nenhum sentimento por ela, eu até digo que foi um grande erro meu demorar tanto para terminar, levei meses até chegar no estopim e terminar o relacionamento.

Espero que isto sirva de lição para aqueles que terminarem/terminaram uma relação, não achem que da para ser amigo da ex, não demorem tanto para ter atitude e muito menos deixem de fazer alguma coisa temendo encontrar com a ex. Confrontem o problema, sejam firmes nas atitudes e maduros no pensamento.

ANÚNCIOS

ENIAC

PUA EXPERT

#1096765 Eu nunca tive um relacionamento sério na vida, o que ainda pude tirar algum aprendizado foi mais com os relaciomanetos alheios e alguns rolos pequenos.

Enfim... não tenho acrescentar ao seu relato, apenas que achei ele legal :ae
junior690

Aprendiz

#1096776 Eu também cai nessa de achar que da pra ser amigo de ex. Terminamos em outubro,no início foi sofrido mas sentia falta dela e ela de mim,acabou se tornando uma amizade colorida.Depois de um período começou os ciúmes,tanto meu quanto dela mas não podia falar nada.Algumas atitudes me desagradaram e foi o estopim.No final do mês passado parei de atender ela e responder mensagens.Ela mandou mais de 100 mensagens e ligou mais de 10 vezes,sem exagero nenhum. Depois ela chegou a vir na minha casa e apareceu essa semana,respondi por educação.Ontem me ligou pedindo pra gente ficar de boa,voltarmos ao normal e nos desculparmos. Pedi desculpas,mas disse que queria que as coisas continuassem do jeito que estão (ou seja,ela na dela).Na hora ela quis virar o jogo me xingando e dizendo que não queria mais nada comigo(sendo que eu Que disse que não queria)apenas concordei e desliguei.Hoje mandou mensagem pedindo pra eu buscar um cartão que está com ela,achando que iria lá mas disse pra ela mandar pelo meu amigo.Resumindo:depois do término foi muito sofrido e o afastamento se torna mais difícil,eu acho.É A segunda vez que passo por isso e me arrependo amargamente.
Avatar pua
bertex66

Veterano - nível 2

#1096788 Bom, eu nunca namorei na minha vida. O máximo que tive foi uma ficante ou outra que mantive o contato durante mais ou menos um mês, e a gente se pegava de vez em quando.

Então não tenho propriedade para abordar um tema tão complexo como um relacionamento que durou cerca de 4 anos. São 48 meses, é muito tempo junto de uma outra pessoa. Creio que vocês passaram por vários momentos, alguns bons, outros nem tanto.

Para a sua sorte, foi você que deu um ponto final. Porque se fosse ela, você estaria arrasado, e o tom dos seus tópicos aqui no PuaBase seria outro. Sempre tem algum cara desesperado por causa de namorada aqui, e quando obtém algumas respostas, some sem nem mesmo dizer obrigado.

A parte de bloquear a pessoa nas redes sociais, se ela fica te pentelhando, creio que seja normal, eu não tenho o costume de fazer isso, mas nenhuma mulher nunca me perseguiu, então não sei como vai ser caso isso aconteça na minha vida.

E quanto a ser grosso, ou imaturo; na minha opinião você pode ficar com a mente mais tranquila do que a de um bebê. Tu respondeu o primeiro ‘oi’ que ela te deu, e para mim isso já basta. Para você acabou, então não lhe convém ficar dando espaço para a mesma, já que ela vai pensar que ainda há algum tipo de interesse da sua parte também.

Infelizmente parece que é unânime, não tem como ser amigo de EX…

Abraço!
Avatar pua
bertex66

Veterano - nível 2

#1096789
Visconde de Valmont escreveu:Caramba ! Que puta atitude , vc é foda ! Eu não teria a mesma , se uma mulher que demonstra estar louca comigo , ou algo do tipo rapidamente me mostro vulnerável ao sentimento da mesma, parece que isso liga um instinto paterno em mim, mas é tenso queria saber mandar ir pro inferno fácil . Não gosto de ser mal visto como grosso nem agressor . Mas eu diria que você foi perfeito absolutamente perfeito !


Nem todo mundo consegue ter a atitude do fwardkoff, Visconde. E eu nem creio que isso seja uma coisa que dá para se ‘aprender’.

Creio que o cara tenha que focar em outras coisas que não seja mulher. Libertar a mente.

Meu foco com o PUA é o crescimento pessoal, e isso eu estou obtendo.
Rica Villa

MEMBRO PROFISSIONAL

#1096794 Acho que um grande aprendizado que a gente tem na vida é que nem sempre ser correto com outra pessoa significa sermos corretos com a nossa história de vida. Quanto mais cedo a gente vislumbra isso, mas cedo sabe que nossas atitudes serão coerentes quando relidas no futuro.

Lembro de um namoro que não ia bem. Mesmo assim prosseguia com ela fazendo de tudo para que eu mudasse. Não havia mais alegria nas coisas que nos uniram. Eu estava numa fase da vida que queria muito mais estar seguro do que estar com alguém. Eu achava que tinha isso com ela.

Depois de uma discussão, de um assunto interpretado por ela de forma errada. E dela só ter dito através do mesenger, depois que eu já estava em casa, paramos de falar. Lá no fb não houve alteração do relacionamento e ficamos no limbo. Uma semana depois, no aniversário de um parente dela, que eu fui convidado através dela, depois da nossa discussão, no reecontramos e ela me apresentou para toda família como namorado.

Na segunda-feira ela voltou ao tratamento de me isolar da semana seguinte. Eu tinha duas opções, ou rompia ou esperava ela romper. Não fiz nada. E na quinta-feira vi que ela mudou o status de relacionamento, deixou sem dizer a situação dela, mas sem me avisar fiquei eu lá pendurado em uma relacionamento sério. Interessante que a intuição me dizia algo, e isso não falha. Eu tinha olhado o profile dela naquela tarde, e resolvi olhar de novo de madrugada.

No outro dia pela manhã, falei com ela e perguntei se ela tinha terminado comigo sem me avisar. Ela disse que eu deveria saber que isso iria acontecer. Argumentei algumas coisas, muito mais no sentido de provar que ela estava errada. No meio do argumento ela aproveitou para se fazer de vítima. Eu percebi a jogada e falei que não era isso, e que também não iria ficar discutindo por alguma coisa que não existia. Pedi a chave do meu apartamento, e ela reagiu mais uma vez dizendo que eu não me preocupasse que ela não iria invadir meu apto. Ali encerrei o assunto.

Três semanas depois ela me chamou pedindo as coisas dela. Queria ir na minha buscar. Eu falei que não poderia naquele horário e que avisava ela quando poderia. Nunca fiz e quando ela me procurou de novo ignorei as mensagens dela. Ela apareceu no bar que eu ia numa sexta-feira. Eu terminei minha cerveja, e fui embora, passando por ela sem nem olhar.

O tempo passou, e passou mesmo, um ano ou pouco menos. Então um dia estou tomando uma cerveja e percebo que ela está no bar. Fico na minha, conversando com os amigos e quando fico meio sozinho ela vai falar comigo. Me cumprimenta, e tenta puxar assunto, eu respondo com monossílabos e ela não sai da minha frente. Coloco as mãos nos bolsos num sinal de defesa. Ela tira a minha mão do bolso e fica segurando. Eu olho para ela e digo que não tem mais nada entre nós, e que aquilo é forçação de barra. Percebo que isso não a demove e olho para ela e digo que pensando bem eu acho que nunca houve.

Ela começa a chorar, se abraça em mim, a amiga dela chega e ela por orgulho para. Então o assunto encerra e quando viro a cara ela se abraça na amiga e fica chorando. Não sai de onde estava e ela ficou na volta.

Fiquei pensando nas reviravoltas do ego. Depois do que ela me fez lá atrás, seria aparentemente uma vitória ficar com ela e dizer, eu sou o cara. Só que o assunto ficou bem resolvido na minha cabeça, e depois que ela saiu da minha vida, achei caminhos para viver que nem eu mesmo sabia que tinha em estoque. Eu iria querer ela de volta? Eu iria ter que driblar tudo de novo com uma mulher que se mostrava arrependida de ter me deixado? Quanto realmente iria me custar aquela "phoda da vingança"?

Esperei ela sair de perto, terminei minha cerveja, e fui embora do bar. Fui para outro bar e lá encontrei alguns amigos. Por acaso uma amiga comentou sobre um cara que jurava amores e depois de comer sumia. Eu contei o que tinha acontecido e ela disse que eu tinha razão. Tomei mais algumas cervejas e fui pra casa caminhando.

Fiquei pensando que não havia solução boa naquilo. Que o único argumento razoável para aquilo tudo era não ter que trazer ela de volta para minha vida. E me colocar em situações que quando terminou o relacionamento, me faziam felizes por não ter mais que fazer.

Ponderei tanto, que aquela história de trepar, vinha na cabeça. Podia ter dado uma trepada e caido fora. Poderia. Só que naqueles meses/ano que eu não estava com ela, tive trepadas melhores que eu nem segui adiante, por qual motivo iria trazer uma trepada para o presente e purgar com todas as outras coisas que o pacote trazia.

No outro dia fiquei com uma sensação estranha. Vinham as coisas boas do relacionamento com ela na cabeça. Poucas vezes as coisas ruins passavam na cabeça. Na verdade eu realmente não tinha muita certeza de tudo. O mais importante é que naquele dia eu não devia nada pra ninguém. Nem mesmo para mim.

Naquela guerra que muitos casais fazem para saber quem está melhor depois do fim. E isso requer forte uso das redes sociais para provar que vai tudo bem. Eu percebi que tinha vencido. Só que isso pouco importava, eu não queria ter passado por isso e pela experiência. Não queria que isso tivesse acontecido, embora muitos sonhem com isso a vida toda, vinculando as vitórias na vida pelo frio momento da vingança, que nunca acontece, e que com o tempo perde o sentido. Se não perde o sentido, de alguma forma você ainda está ancorado naquele porto.

A ex teve o que procurou, produziu e fez. Me transformou em alguém que eu não era, para terminar. E o tempo fez ela não entender o motivo disso. Eu mesmo não sei, e poderia ter descoberto.

O grande momento da vida é quando você percebe que a maior parte das decisões são fáceis, e por isso você só lembra das difíceis. Toda boa história tem um fim. Só que toda história ruim termina também. A falta do fim é pela história não merecer que se continue contando.
Lucraque

Aprendiz

#1096805 Se ela vislumbrava contigo algo que tu não havia prometido, e tu não deixou as coisas claras desde quando se relacionavam, o erro está ai.
Avatar pua
Simbelmynë

Veterano - nível 2

#1096821 Bicho, Eu sou muito adepto a não ter amizades com ex. Na época que namorei que foi dos 15 anos aos 18(ela era 2 meses mais velha que eu) já tinha aquela concepção velada porém bem definida que ex é uma tremenda dor de cabeça. Naquele tempo eu pensava que ex tinha que viver sua vida pelo fato de carregar o titulo de EX ser um sinal claro que não estava dando certo o relacionamento. Obviamente se tivesse dando certo não seria ex. Continuariamente sendo atual namorada.
E velho eu sofri para cacete. Porque não foi fácil eu largar dela e vice-versa!
simplificando: Fica aquele sentimento contido, quando a carência bate é um horror, vem a saudades, tentações, frustrações, habitos ruins e a merda chata para seu innergame - Essa é a parte boa. hehehhe! A parte ruim é quando ela fica de stalkeando, te difamando, indo no mesmos locais que você costuma frequentar e tem o mesmo circulo social, fazendo chantagens emocionais, dramas e até isso chegar a uma falsa comunicaçãol de um crime. Fé nas malucas que dizem né!? Bicho, ISSO É LITERALMENTE DOR DE CABEÇA.

E hoje? Continuo com a mesma concepção melhorada e bem afiada na pratica.
Avatar pua

Criador do tópico

fwardkoff - MEMBRO EXCLUSIVO
#1096875
junior690 escreveu:Eu também cai nessa de achar que da pra ser amigo de ex. Terminamos em outubro,no início foi sofrido mas sentia falta dela e ela de mim,acabou se tornando uma amizade colorida.Depois de um período começou os ciúmes,tanto meu quanto dela mas não podia falar nada.Algumas atitudes me desagradaram e foi o estopim.No final do mês passado parei de atender ela e responder mensagens.Ela mandou mais de 100 mensagens e ligou mais de 10 vezes,sem exagero nenhum. Depois ela chegou a vir na minha casa e apareceu essa semana,respondi por educação.Ontem me ligou pedindo pra gente ficar de boa,voltarmos ao normal e nos desculparmos. Pedi desculpas,mas disse que queria que as coisas continuassem do jeito que estão (ou seja,ela na dela).Na hora ela quis virar o jogo me xingando e dizendo que não queria mais nada comigo(sendo que eu Que disse que não queria)apenas concordei e desliguei.Hoje mandou mensagem pedindo pra eu buscar um cartão que está com ela,achando que iria lá mas disse pra ela mandar pelo meu amigo.Resumindo:depois do término foi muito sofrido e o afastamento se torna mais difícil,eu acho.É A segunda vez que passo por isso e me arrependo amargamente.


Não há a menor chance de continuar sendo amigo de ex, simplesmente não rola. E isso de ficar se pegando pós término é uma merda, na realidade estão os dois apenas postergando o que já terminou e dando margem para uma merda acontecer, afinal há chance de vocês reatarem e voltarem ao estágio de merda que se encontravam.

Tenho um amigo que terminou e continuou ficando com a ex dele, eu dizia a todo o momento para ele parar com isso porque só estava prolongando o sofrimento, dito e feito, sofria todas as semanas até que ele me ouviu e rompeu de vez, sofreu por 1-2 semanas, mas agora esta tri bem.

Visconde de Valmont escreveu:Caramba ! Que puta atitude , vc é foda ! Eu não teria a mesma , se uma mulher que demonstra estar louca comigo , ou algo do tipo rapidamente me mostro vulnerável ao sentimento da mesma, parece que isso liga um instinto paterno em mim, mas é tenso queria saber mandar ir pro inferno fácil . Não gosto de ser mal visto como grosso nem agressor . Mas eu diria que você foi perfeito absolutamente perfeito !


Sei bem este instinto, eu ainda o tenho, a realidade é que não deixo o lado animal/emocional aflorar e uso sempre o racional, ou tento. Na hora realmente foi muito fácil para mim fazer o que fiz, simplesmente era o certo, mas depois disso quando cheguei em casa eu repensei, de certa forme deu um dó, mas logo passou quando botei o cérebro no controle novamente, afinal eu fiz o que tinha que ser feito.

Essa "frieza" se ganha com a experiência, no início nós homens somos muito ingênuos e vivemos querendo agradar/proteger as mulheres, mas com o tempo a expertise vem e começamos a perceber que temos que nos por em primeiro lugar, que as mulheres são coisas de segundo plano.

bertex66 escreveu:Bom, eu nunca namorei na minha vida. O máximo que tive foi uma ficante ou outra que mantive o contato durante mais ou menos um mês, e a gente se pegava de vez em quando.

Então não tenho propriedade para abordar um tema tão complexo como um relacionamento que durou cerca de 4 anos. São 48 meses, é muito tempo junto de uma outra pessoa. Creio que vocês passaram por vários momentos, alguns bons, outros nem tanto.

Para a sua sorte, foi você que deu um ponto final. Porque se fosse ela, você estaria arrasado, e o tom dos seus tópicos aqui no PuaBase seria outro. Sempre tem algum cara desesperado por causa de namorada aqui, e quando obtém algumas respostas, some sem nem mesmo dizer obrigado.

A parte de bloquear a pessoa nas redes sociais, se ela fica te pentelhando, creio que seja normal, eu não tenho o costume de fazer isso, mas nenhuma mulher nunca me perseguiu, então não sei como vai ser caso isso aconteça na minha vida.

E quanto a ser grosso, ou imaturo; na minha opinião você pode ficar com a mente mais tranquila do que a de um bebê. Tu respondeu o primeiro ‘oi’ que ela te deu, e para mim isso já basta. Para você acabou, então não lhe convém ficar dando espaço para a mesma, já que ela vai pensar que ainda há algum tipo de interesse da sua parte também.

Infelizmente parece que é unânime, não tem como ser amigo de EX…

Abraço!


Uma das coisas que me fez amadurecer muito como homem foi a minha primeira namorada, eu vivia atrás dela, ela jogava comigo e fazia o que bem entedesse comigo, quantas vezes ela não "terminava" apenas para me ver sofrer e correr atrás dela. Por sorte com o tempo e com o PB eu aprendi a ver o que ela estava fazendo comigo e virei o jogo, no fim quem fazia ela correr atrás era eu, quem terminou fui eu.

Então é como sempre digo, mesmo quando as coisas dão errado temos que agradecer pelo ensinamento, a vida é uma constante de evolução e aprendizado, temos que extrair o máximo que podermos das nossas experiências.

Lucraque escreveu:Se ela vislumbrava contigo algo que tu não havia prometido, e tu não deixou as coisas claras desde quando se relacionavam, o erro está ai.


Eu sempre deixei muito claro o que queria para a minha vida e para o nosso relacionamento, todavia ela tinha sonhos de casar e ter filhos, algo que na minha cabeça só ira ocorrer, se ocorrer, daqui 15 anos. Portanto ela mesma conseguiu se iludir com algo que eu deixava bem claro para ela que não iria rolar.
Avatar pua

Criador do tópico

fwardkoff - MEMBRO EXCLUSIVO
#1096876
Rica Villa escreveu:Acho que um grande aprendizado que a gente tem na vida é que nem sempre ser correto com outra pessoa significa sermos corretos com a nossa história de vida. Quanto mais cedo a gente vislumbra isso, mas cedo sabe que nossas atitudes serão coerentes quando relidas no futuro.

Lembro de um namoro que não ia bem. Mesmo assim prosseguia com ela fazendo de tudo para que eu mudasse. Não havia mais alegria nas coisas que nos uniram. Eu estava numa fase da vida que queria muito mais estar seguro do que estar com alguém. Eu achava que tinha isso com ela.

Depois de uma discussão, de um assunto interpretado por ela de forma errada. E dela só ter dito através do mesenger, depois que eu já estava em casa, paramos de falar. Lá no fb não houve alteração do relacionamento e ficamos no limbo. Uma semana depois, no aniversário de um parente dela, que eu fui convidado através dela, depois da nossa discussão, no reecontramos e ela me apresentou para toda família como namorado.

Na segunda-feira ela voltou ao tratamento de me isolar da semana seguinte. Eu tinha duas opções, ou rompia ou esperava ela romper. Não fiz nada. E na quinta-feira vi que ela mudou o status de relacionamento, deixou sem dizer a situação dela, mas sem me avisar fiquei eu lá pendurado em uma relacionamento sério. Interessante que a intuição me dizia algo, e isso não falha. Eu tinha olhado o profile dela naquela tarde, e resolvi olhar de novo de madrugada.

No outro dia pela manhã, falei com ela e perguntei se ela tinha terminado comigo sem me avisar. Ela disse que eu deveria saber que isso iria acontecer. Argumentei algumas coisas, muito mais no sentido de provar que ela estava errada. No meio do argumento ela aproveitou para se fazer de vítima. Eu percebi a jogada e falei que não era isso, e que também não iria ficar discutindo por alguma coisa que não existia. Pedi a chave do meu apartamento, e ela reagiu mais uma vez dizendo que eu não me preocupasse que ela não iria invadir meu apto. Ali encerrei o assunto.

Três semanas depois ela me chamou pedindo as coisas dela. Queria ir na minha buscar. Eu falei que não poderia naquele horário e que avisava ela quando poderia. Nunca fiz e quando ela me procurou de novo ignorei as mensagens dela. Ela apareceu no bar que eu ia numa sexta-feira. Eu terminei minha cerveja, e fui embora, passando por ela sem nem olhar.

O tempo passou, e passou mesmo, um ano ou pouco menos. Então um dia estou tomando uma cerveja e percebo que ela está no bar. Fico na minha, conversando com os amigos e quando fico meio sozinho ela vai falar comigo. Me cumprimenta, e tenta puxar assunto, eu respondo com monossílabos e ela não sai da minha frente. Coloco as mãos nos bolsos num sinal de defesa. Ela tira a minha mão do bolso e fica segurando. Eu olho para ela e digo que não tem mais nada entre nós, e que aquilo é forçação de barra. Percebo que isso não a demove e olho para ela e digo que pensando bem eu acho que nunca houve.

Ela começa a chorar, se abraça em mim, a amiga dela chega e ela por orgulho para. Então o assunto encerra e quando viro a cara ela se abraça na amiga e fica chorando. Não sai de onde estava e ela ficou na volta.

Fiquei pensando nas reviravoltas do ego. Depois do que ela me fez lá atrás, seria aparentemente uma vitória ficar com ela e dizer, eu sou o cara. Só que o assunto ficou bem resolvido na minha cabeça, e depois que ela saiu da minha vida, achei caminhos para viver que nem eu mesmo sabia que tinha em estoque. Eu iria querer ela de volta? Eu iria ter que driblar tudo de novo com uma mulher que se mostrava arrependida de ter me deixado? Quanto realmente iria me custar aquela "phoda da vingança"?

Esperei ela sair de perto, terminei minha cerveja, e fui embora do bar. Fui para outro bar e lá encontrei alguns amigos. Por acaso uma amiga comentou sobre um cara que jurava amores e depois de comer sumia. Eu contei o que tinha acontecido e ela disse que eu tinha razão. Tomei mais algumas cervejas e fui pra casa caminhando.

Fiquei pensando que não havia solução boa naquilo. Que o único argumento razoável para aquilo tudo era não ter que trazer ela de volta para minha vida. E me colocar em situações que quando terminou o relacionamento, me faziam felizes por não ter mais que fazer.

Ponderei tanto, que aquela história de trepar, vinha na cabeça. Podia ter dado uma trepada e caido fora. Poderia. Só que naqueles meses/ano que eu não estava com ela, tive trepadas melhores que eu nem segui adiante, por qual motivo iria trazer uma trepada para o presente e purgar com todas as outras coisas que o pacote trazia.

No outro dia fiquei com uma sensação estranha. Vinham as coisas boas do relacionamento com ela na cabeça. Poucas vezes as coisas ruins passavam na cabeça. Na verdade eu realmente não tinha muita certeza de tudo. O mais importante é que naquele dia eu não devia nada pra ninguém. Nem mesmo para mim.

Naquela guerra que muitos casais fazem para saber quem está melhor depois do fim. E isso requer forte uso das redes sociais para provar que vai tudo bem. Eu percebi que tinha vencido. Só que isso pouco importava, eu não queria ter passado por isso e pela experiência. Não queria que isso tivesse acontecido, embora muitos sonhem com isso a vida toda, vinculando as vitórias na vida pelo frio momento da vingança, que nunca acontece, e que com o tempo perde o sentido. Se não perde o sentido, de alguma forma você ainda está ancorado naquele porto.

A ex teve o que procurou, produziu e fez. Me transformou em alguém que eu não era, para terminar. E o tempo fez ela não entender o motivo disso. Eu mesmo não sei, e poderia ter descoberto.

O grande momento da vida é quando você percebe que a maior parte das decisões são fáceis, e por isso você só lembra das difíceis. Toda boa história tem um fim. Só que toda história ruim termina também. A falta do fim é pela história não merecer que se continue contando.


Baita relato Ricca, me vi em alguns momentos do que falaste. O final do seu texto é perfeito, toda história tem um fim e, geralmente, ele não vai ser feliz.