Membros normais não podem criar tópicos mas podem responder tópicos dos veteranos.


Ao atingir mais de 1 ano de cadastro ou envio de mais de 200 mensagens você automáticamente se torna membro veterano e pode postar nessa área.
Avatar pua

Criador do tópico

>>Psychokiller<<

Entusiasta

#913356
IntroduçãoApós ter esclarecido alguns assuntos relacionados ao sexo, como a masturbação, a relação tamanho do pênis e prazer sexual, o sexo com menores de idade e as respostas sexuais corporais (Um link para estes artigos esta postado ao final do texto), percebi que um novo mito surgiu na comunidade de sedução, este mito é o da pornografia.

Como no caso da masturbação, onde um dos mitos era a crença de que a masturbação era prejudicial a saúde, ou viciante (mito este refutado em um dos artigos da série, apesar de eu ter percebido que ele ainda continua vivo aqui no fórum, mesmo após ser refutado) o mesmo vem acontecendo com a pornografia, onde é espalhado pela internet que esta era altamente prejudicial a saúde dos homens, bem como a afetar a sua sensibilidade sexual e a se tornar uma dependência em forma de vício.

Procurei me esclarecer sobre o assunto, e realizei uma pesquisa cientifica e acadêmica acerca do tópico, para acabar com os mitos e revelar a verdade por de trás deles.

Em minhas buscas internet afora, encontrei bons argumentos, de ambos os lados, no entanto, aqueles que defendiam a ideia de que a masturbação era prejudicial, careciam de um recurso importante, o da comprovação cientifica, algo que encontrei no outro lado da moeda, em um dos artigos que apresentava um argumento contrário a ideia de que a pornografia possa ser prejudicial. E é este artigo que postarei aqui, neste tópico.


Seu cérebro e pornografia: não é vícioTexto de Dr. David Ley
Tradução de Aldir Gracindo
Postado em A Voice For Men Brasil

Tem havido uma enorme quantidade de hipérbole sobre o uso de pornografia, com muitos autores e catastrofistas alegando que ver pornô provoca alterações neuroquímicas perigosas no cérebro. Mas uma pesquisa inovadora diz que isso não é verdade e que as pessoas que são os usuários problemáticos de pornografia são realmente pessoas com libido alta, não as pessoas cujos cérebros foram deformado por sexo e pornografia.

Defensores populares da antipornografia como YourBrainonPorn e o grupo chamado Fight The New Drug argumentam que o uso da pornografia é um problema de saúde pública, não uma questão de liberdade de expressão. Essas pessoas muitas vezes afirmam que se as pessoas e a sociedade tivessem ideia do dano que o uso de pornografia estaria causando aos nossos cérebros, que nós o regularíamos isso em nós no acesso público que é permitido.

Nos últimos anos, esses argumentos baseados em medo invocam frequentemente jargões sobre efeitos no cérebro e disparam para todos os lados termos como explosões de dopamina e dessensibilização para descrever o que supostamente acontece no cérebro de pessoas que assistem muita pornografia. A ciência do cérebro está na moda atualmente e chama a atenção começar a usar jargões sobre o cérebro e neurociência em argumentos porque soa tão ridiculamente convincente e científico. O problema é que há uma extrema escassez de pesquisa que realmente considere o cérebro e os comportamentos das pessoas que usam a pornografia, e nenhuma pesquisa experimental qualitativa que tenha analisado os cérebros daqueles supostamente viciados em pornografia. Então, todos esses argumentos são teorias e baseados em retórica, inferências e aplicação de resultados de outras pesquisas para tentar explicar os comportamentos sexuais.

Uma nova, interessantíssima e nova pesquisa foi feita que realmente examinou os cérebros de supostos viciados em sexo, e adivinhem? Os resultados são um pouco diferentes da retórica. Na verdade, os resultados não apoiam a afirmação de que o vício em sexo é real, ou refletem quaisquer tipos de problemas cerebrais.

Na pesquisa convidado para a apresentação no jornal socioafetive Neuroscience of Psychology , os autores Steele, Staley, Fong e Prause utilizaram testes de eletroencefalografia (EEG) para examinar os efeitos de erotismo visual no cérebro de pessoas que sentiram que tinham problemas para controlar seu uso da pornografia. Cinquenta e dois viciados em sexo, incluindo homens e mulheres, tiveram a atividade elétrica de seu cérebro examinada enquanto olhavam para imagens eróticas. A teoria do vício em sexo prevê que estes indivíduos mostrariam padrões cerebrais compatíveis com os de viciados em cocaína, que demonstram mudanças elétricas específicas na atividade cerebral em resposta a estímulos relacionados com a droga. Proponentes do vício em sexo, de Rob Weiss a Patrick Carnes, têm sustentado que o sexo e pornografia são “como a cocaína” no cérebro.

Mas, quando eletroencefalografias (ou EEGs) foram administradas a esses indivíduos no momento em que viam estímulos eróticos, os resultados foram surpreendentes e absolutamente inconsistentes com a teoria vício em sexo. Se ver pornografia realmente estava a habituar (ou dessensibilizar), como fazem as drogas, então ver pornografia teria uma resposta elétrica diminuída no cérebro. Na realidade, nestes resultados, não houve tal resposta. Em vez disso, no geral, demonstraram aumento de respostas elétricas cerebrais dos participantes diante do imaginário erótico mostrado era exatamente como os cérebros de “pessoas normais”, como tem sido demonstrado em centenas de estudos.

Ah, mas os proponentes do vício em sexo podem argumentar que isso é porque esses viciados em pornografia têm uma resposta mais forte a estímulos sexuais e é por isso que eles são viciados. Esta é uma das razões que as teorias da dependência em pornografia e sexo são tão difícil de se defender – são falsificáveis pela apresentação apresentar elementos opostos como parte de sua teoria e têm argumentos muito fluidos, que explicam quando os dados ou resultados não correspondem às suas teorias.

Aqui é onde os autores deste estudo foram muito inteligentes. Os pesquisadores incluíram medições de desejo sexual ou libido e múltiplas medições de vício em sexo nos questionários administrados aos participantes. Os resultados deste estudo de EEG foram previstos pelas medidas de libido, e não houve relação entre as medidas de vício em sexo para as medidas neurais. Em outras palavras, os resultados das EEG aumento da resposta a estímulos eróticos foram consistentes com as respostas de pessoas que têm níveis mais elevados de desejo sexual. Os supostos viciados em sexo deste estudo têm cérebros que se parecem com os de outras pessoas, que têm alta libido, mas não se identificam como viciados em sexo.

Outra parte desta análise sofisticada é que os pesquisadores analisaram os diferentes testes que mediram os aspectos do vício em sexo / hipersexualidade e nos testes que mediram libido. Eles, então, realizaram análises estatísticas para identificar se algum destes resultados dos testes variou de forma consistente com a diferença de respostas cerebrais. Mais uma vez, os testes de dependência sexual não tinha qualquer ligação com as conclusões neurais. Mas uma parcela significativa da variação de respostas neurais era explicável por nível de desejo sexual dos participantes – quando participantes relataram níveis mais elevados de libido, eles também demonstraram menos respostas neurais aos estímulos sexuais que foram mostrados. Esta foi um fato surpreendente, sugerindo que as pessoas com alta libido podem achar a pornografia menos interessante e, portanto, têm menor resposta neural – isso é consistente com outros estudos, que mostraram que as pessoas com altos níveis de desejo sexual têm menos resposta ao erotismo visual. Mas isso não é exclusivo para viciados em sexo e foi previsível por níveis de desejo sexual, não sintomas de vício em sexo. Os maiores níveis de sintomas de dependência sexual, não importa quais das três escalas de vício em sexo foram usadas, não teve relação com a resposta neural para as imagens eróticas mostrados.

Defensores do vício da pornografia certamente dirão “Ahá! Veja, aí está, viciados em pornografia têm uma resposta mais baixa, e é por isso que eles são viciados, eles ficam insensíveis. “Mas lembre-se, foi a medida de libido que previu diminuição da resposta neural, e não medidas de problemas sexuais ou até mesmo o uso do pornô. Mesmo entre o grupo de estudo de usuários de pornografia problemáticos, havia vários níveis de libido. E assim como pessoas que não têm problemas para controlar seu uso de pornografia, são os maiores níveis de desejo sexual que permitem prever esta diminuição do efeito. Muitas pessoas com alta libido têm este mesmo efeito, mas não relatam problemas para controlar o uso da pornografia.

Pode-se argumentar que este é apenas um estudo e apenas uma medida da atividade do cérebro. Proponentes do vício da pornografia, sem dúvida, argumentarão que outros tipos de estudos do cérebro, tais como ressonância magnética, MEGs, SPECT, ou outros exames cerebrais irão mostrar os efeitos que eles crêem estar lá. Eu tenho certeza que outros irão argumentar que olhar para uma imagem erótica estática é de alguma forma diferente de olhar para “pornô em Internet de alta velocidade.” O interessante nesses argumentos é que eles estão argumentando contra a validade da ciência, afirmando que a sua teorias são de alguma forma mais verdadeiras e confiáveis do que a pesquisa científica ou dados reais. Em outras palavras, será que eles só acreditam em dados quando eles confirma suas teorias? Se assim for, eu sinto muito, isso é chamado de viés de confirmação, não ciência.

Este estudo foi criticado recentemente, mas as críticas são esmagadoramente infundadas:

  • Não houve “grupo de controle” – na verdade, este estudo utilizou uma organização “intra-sujeitos”, onde os próprios sujeitos foram seu próprio grupo de controle. Isso é metodologicamente rigoroso e bem aceito;

  • Os resultados das análises que não foram significativas não foram descritos na publicação – esta é uma prática científica comum e os autores geralmente estão dispostos a compartilhar os resultados dessas análises a pedido;

  • Este estudo utilizou método científico muito bom, na criação de um estudo para testar a “teoria” de que o uso da pornografia funciona “como” um vício de drogas. Isto é como a boa ciência funciona, testando teorias;

  • Por não haver uma definição ou critérios para dependência de sexo / pornografia aceita, o estudo múltiplo usado comumente usou avaliações para vício em sexo;

  • O uso da tecnologia EEG é um método aceitável, extensivamente utilizado em pesquisa sobre as dependências e permitiu uma comparação válida, útil desses resultados para a pesquisa existente sobre vício em drogas e álcool. Os resultados do P300 citados no estudo são internamente e externamente consistentes com as suas próprias conclusões e com a literatura anterior e apoiam a interpretação de que os sujeitos apresentaram uma resposta neural baseada na libido e excitação sexual, não demonstrando alterações no cérebro que são indicativos de uma resposta aditiva (vício).

O peso crescente da investigação científica, em oposição à especulação e teorização, está indicando que o vício em sexo não é uma construção distinta, mas reflete os comportamentos dos indivíduos com maiores níveis de desejo sexual e libido, especialmente porque esses comportamentos levam as pessoas a conflitos com valores sociais em torno de sexo. Como qualquer outra característica humana, o desejo sexual ocorre ao longo de um espectro, com ampla gama de variação individual. Os problemas e queixas relatadas por autoidentificados viciados em pornografia e sexo têm a ver com o contexto em que esses indivíduos estão expressando ou perseguindo sua alta libido, não com uma única doença.

Os proponentes do vício em pornografia e sexo podem fazer bem em começar a mudar o seu discurso, de atacar a pornografia e sexo para aumentar o diálogo sobre como o desejo sexual e a expressão sexual pode entrar em conflito com os valores e ideais sociais públicos / privados. Ao invés de alardear o perigo da pornografia, eles podem ser mais eficazes e baseados em evidências defendendo a informação sobre os diferentes níveis de desejo sexual e da necessidade, tanto da sociedade do indivíduo, de ser responsável e lidar devidamente com essas diferenças.


Artigos anteriores da série:


ANÚNCIOS

Avatar pua
DaanCarvalhoo

Aprendiz

#913363 Bom tópico, mas minha opinião em relação a pornô e masturbaçao é a mesma de sempre, eu como sendo um cara cristão ,julgo que essas ações são erradas , mas isso pelo meu ponto de vista, alguns zoam ou dizem que to mentindo ,mas parei com ambos faz mais de 1 ano, me ajudou em tudo, na academia e etc... O único ruim é o aumento do libido , pau duro o tempo inteiro... Kkkk chega a ser engraçado, mas não é.
gui.gui - DOADOR

Veterano - nível 10

#913364 Nada como a ciência...

Não sei os demais, mas o que julgo como negativo da pornografia não é a alteração da libido (o que foi refutado nesses estudos) e sim que a gente passa a idealizar o que vemos nos vídeos, querendo fazer tais coisas na cama com a mulher. O problema é que, quando não conseguimos fazer esse desejo virar realidade, nos sentimos, de certa forma, frustados e o tesão fica um pouco menor.

Não vejo pornografia há meses e não vi diferença na minha libido. Entretanto, hoje em dia, no sexo, eu penso menos naquelas posições e gemeções absurdas que existem nos vídeos e não sinto que está faltando alguma coisa para a transa ficar sensacional. Além do mais, descobri que masturbar usando a própria imaginação é muito melhor.
Avatar pua

Criador do tópico

>>Psychokiller<<

Entusiasta

#913373 DaanCarvalho, em minhas pesquisas pela internet, em publicações acadêmicas e cientificas, além de opiniões de especialistas, não encontrei uma unica opinião se quer, com fundamentos, que sustentasse a ideia de que a pornografia ou a masturbação pudessem por si mesmas prejudicarem a saúde (psíquica ou física), a libido ou a sensibilidade sexual masculina, e acredite, eu procurei muito, mas não encontrei um especialista se quer que defendesse esta ideia. Como mostrado nos artigos supra, não existe qualquer comprovação cientifica que sustente estas alegações, na verdade, as que existem, as refutam.

O que pode acontecer no seu caso, por ter formação religiosa e se guiar segundo a moral de sua religião, é suas crenças (com fundamentação religiosa) afetarem seu psicológico (como um efeito placebo), e por consequência, a forma como você experimenta a realidade, bem como as reações fisiológicas que você tem com a masturbação-pornografia ou a falta delas.

Mas, seria isso tudo, algo psicológico, oriundo de suas próprias crenças, um efeito placebo.

E você pode ficar muito bem com isso, e respeito suas crenças e o relato de suas experiências, só não posso concordar quando diz que a masturbação ou a pornografia traz de fato qualquer prejuízo real a saúde, a libido e/ou a vida sexual de um homem, por que de fato elas não possuem por si mesmas este poder.

gui.gui ótima observação, este detalhe da idealização é um problema comum associado a pornografia, ms não está restrito a ela somente, está em quase todas as nossas expectativas sobre a vida, e está inclusive ironicamente nos filmes de contos de fadas e romance também, que influenciam mulheres mundo afora.

O que se deve aprender é que, filmes (pornôs, de romance ou etc.) não são a realidade, eles são ficção, e aprender a separar ficção da realidade pode ser a diferença entre acertar o problema no alvo, ou erra-lo completamente. Se uma pessoa deixar de refletir as experiências dos filmes (seja qual forem) nas expectativas de sua vida real, elas estarão eliminando um bocado de expectativas com altas probabilidades de levarem a frustração, como as dos filmes pornôs ou de romances.

Logo, como provado, o mal não esta na pornografia (ou mesmo na masturbação), mas sim na forma como encaramos estas coisas, na forma como projetamos nossas expectativas em função da interpretação que temos destas coisas.

Vale também um adendo, que foi dado no outro tópico sobre a masturbação, que é o de evitar o excesso, como dito, tudo em excesso faz mal, e com a masturbação e a pornografia, não é diferente. Uma pratica em excesso, pode levar ao comportamento compulsório, mas este comportamento não é inerente ao ato (masturbação, pornografia, limpeza, ou qualquer outro ato que pode levar ao TOC ou qualquer outro transtorno compulsivo), e sim ao próprio individuo humano, por isso existem pessoas "viciadas" em lavar mãos, em subir escadas, e inclusive se masturbar. Logo, elas devem evitar o excesso, para evitar uma compulsão, que é característica do indivíduo e do comportamento repetitivo, e não do ato-objeto do comportamento em si.

Abraços!
Avatar pua
xEspartano

PUA Avançado

#913411 PRIMEIRAMENTE, bem vindo de volta Psycho ;D !!

Pra mim, as pessoas que ficam sem se masturbar por meses e postam relato aqui dizendo q melhoraram nisso, naquilo.. é td efeito placebo, eu fiquei 15 dias sem me masturbar e n mudou em nada, só piorou, ou seja ficava com uma cara de tarado 24horas por dia, então é bom me masturbar umas vezes na semana pra conseguir calibrar na vida social e sexual... o que o Gui falou é verdade, o tesão é menor porq queremos fazer a msm coisa. Mas é bom não se masturbar e ir direto pro field, pois estaremos no processo de descanso sexual. Mas dps q essa parte passa, vai com TUDOOO !!
Avatar pua
alfamg - MEMBRO EXCLUSIVO
#925840 Salve PUAS!

Mais uma vez o >>Psychokiller<< identifica o cerne da questão.
Não importa se é masturbação, sexo ou pornografia temas que nós deveríamos evitar e sim o significado que damos a eles.
Eu até concordo que devemos usar melhor o nosso tempo (o meu é bastante escasso) para melhorarmos como homens em troca de uma sessão fácil de masturbação com pornografia. O que não se pode é demonizar essas práticas como se fossem heresias que não devessem ser praticadas.
O artigo sem dúvidas é de validade científica,usando uma ferramenta mensurável (EEG), embora não goste tanto de estudo individuais. São muito subjetivos e dificulta um pouco a computação de seus dados. Mas pode e deve ser piloto para estudos futuros, mais abrangentes e com maior número de pesquisados.
De qualquer forma, o tópico aqui trata de um assunto que é levianamente discutido no fórum, com pregadores dizendo absurdos sobre a não prática da pornografia.
o link http://www.elhombre.com.br/10-fatos-sur ... ria-porno/ nos dá uma pequena dimensão acerca de um tema cada vez mais frequenta na rotina e ainda tão pouco estudado.
Sucesso parceiros!!!!!
Avatar pua
aleicasa

Aprendiz

#925867 ótimo tópico
mim masturbava diariamente assistido pornografia e isso tava acabando com minha vida, por esta mim dedicando exclusivamente a isso, não fazia mas nada a não ser esta me masturbando ou no computado procurando novidades no mundo da pornografia. quando parei com isso percebe varias melhoras não pela pornografia fazer mal, mas por assistir videos pornos ser o principal objetivos que tinha na vida.